Domingo, 26 de Maio de 2024 06:30
Paraíba Paraíba

Paraíba antecipa vacinação contra febre aftosa e busca elevar o status a zona livre sem vacinação

Paraíba antecipa vacinação contra febre aftosa e busca elevar o status a zona livre sem vacinação

16/04/2024 08h18 Atualizada há 1 mês
Por: Eli Cavalcante Fonte: Repórter Eli Cavalcante
Paraíba antecipa vacinação contra febre aftosa e busca elevar o status a zona livre sem vacinação

 

O Governo da Paraíba, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca (Sedap), antecipou para esta segunda-feira (15) o início da campanha de vacinação contra a febre aftosa. Até o dia 30 deste mês, a meta é que 90% do rebanho bovino de 1,3 milhão de animais seja vacinado. A antecipação tem como principal objetivo fazer com que a Paraíba alcance o status de livre da febre aftosa sem vacinação, atendendo às exigências do Ministério da Agricultura e Pesca (Mapa).

Para isso, os produtores devem comprar as vacinas nas revendas, vacinar o rebanho e declarar nos escritórios de Defesa Agropecuária. Atualmente, o rebanho da Paraíba é de 1,3 milhão de cabeças.

O secretário da Sedap, Joaquim Hugo Vieira, ressalta que a declaração de vacinação do rebanho bovino precisa ser feita o quanto antes. "Essa declaração deve ser feita de forma rápida em virtude do pequeno espaço de tempo que temos. É importante que o produtor vacine o seu rebanho para que a Paraíba fique livre da febre aftosa, valorizando o nosso rebanho juntamente com outros estados do País", alertou.

As vacinas devem ser adquiridas nas casas veterinárias cadastradas na Gerência Executiva de Defesa Agropecuária da Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca (Sedap) e mantidas entre 2°C e 8°C - desde a aquisição até o momento da utilização – incluindo o transporte e a aplicação, já na fazenda;

devem ser usadas agulhas novas para aplicação da dose de 2 ml na tábua do pescoço de cada animal, preferindo as horas mais frescas do dia, para fazer a contenção adequada dos animais e a aplicação da vacina;

o produtor deve fazer a comprovação junto aos escritórios da Defesa Agropecuária no prazo de 10 dias – contados a partir da data da compra da vacina;

em caso de dúvidas, a orientação é para que procurem os escritórios da Defesa Agropecuária distribuídos no interior do Estado.